“Somos capazes de liderar”

Freda Yuan, Chefe de Compras de Café da Origin Coffee Roasters, parceira da SMC Specialty Coffees, fala sobre sua carreira no café especial, sua conexão com o Brasil e a presença feminina no setor.

A Origin Coffee Roasters é um dos clientes da SMC Specialty Coffees, empresa controlada pela Cooxupé. A parceria sólida e transparente criada através do café especial há dez anos atrás, ajuda a promover os cafés de cooperados e cooperadas na Inglaterra, país onde a empresa importadora está localizada.

Freda Yuan é a responsável pela compra de cafés na Origin e em uma conversa especial com a equipe da SMC, contou sobre suas experiências dentro da empresa e como alcançou um espaço tão importante como o que tem ocupado desde março de 2019.

Freda Yuan visitou propriedades de cooperados e cooperadas durante a safra de 2019.

Como a sua história com o café se iniciou?

“Eu morei por um tempo na Austrália sempre gostei muito do clima das cafeterias de lá. Comecei então a trabalhar em uma cafeteria como barista. Na época, meu sonho era abrir uma cafeteria em Taiwan, meu país de origem, e por isso me interessei tanto. Conheci algumas pessoas por lá que tinham conexões em Londres e estavam montando seus próprios negócios. Passei a trabalhar com alguns deles, já de volta no Reino Unido. Fui descobrindo mais sobre outras partes da cadeia do café, como a torra e a degustação, onde quis me aprimorar. Cheguei até a vender café verde por um tempo. Trabalhar com café me auxiliou a passar por momentos difíceis na minha vida, e por isso me sinto tão realizada em continuar minha trajetória nesse segmento.”

Como é estar em uma posição tão importante na Origin?

“Minha profissão requer muita atenção. Ela pode ser muito estressante em alguns momentos, pois não posso deixar a empresa na mão. É necessário que eu entenda exatamente o volume e as qualidades que precisamos adquirir e entender para qual cliente vou direcionar cada café. Sou como uma chef de cozinha na Origin. Minha função é montar e apresentar nossa cartela de opções, como um menu, para nossos parceiros.

Quando recebi a proposta de trabalhar como Chefe do Departamento de Cafés, confesso que quase a recusei. Duvidei que seria capaz de fazer um bom trabalho pois era um grande desafio. Mas é claro, eu estava disposta a me desafiar. Decidi dar a mim mesma a chance de seguir em frente. Hoje em dia tenho o privilégio de conhecer produtores e produtoras de cafés especiais, visitar seus sítios e fazendas e formar esse relacionamento que é tão importante quando trabalhamos com rastreabilidade e sustentabilidade.”

Há outras mulheres no time da Origin?

“Quase metade da nossa equipe é formada por mulheres, principalmente na área administrativa, mas elas também estão na parte de torra e da qualidade. Sinto que somos mais intuitivas e trazemos uma certa leveza para o trabalho. Somos mais vulneráveis, mas isso não deve ser visto como algo ruim. Na verdade, é uma excelente característica, pois sem essa delicadeza fica difícil enfrentarmos certas dificuldades, especialmente em um momento como esse que vivemos. Somos capazes de termos mais compaixão, de entender melhor as pessoas e lidarmos melhor com os sentimentos e as ações dos que nos cercam. É por isso que considero tão importante a representatividade feminina nos negócios.

Como o café especial brasileiro é visto no Reino Unido? Há demanda para cafés produzidos especificamente por mulheres?

“O café brasileiro é extremamente importante no mercado em que trabalhamos. Ele é capaz de entregar uma alta qualidade e o volume que tanto precisamos, seja para uma base de espresso, achocolatada com notas de caramelo e uma intensa doçura, ou para um coado, com perfis diferenciados. Quem toma café aqui na Inglaterra está muito acostumado com o café brasileiro por ele ficar tão bom com bebidas com leite, algo que é muito consumido por aqui, como cappuccinos, macchiatos, etc.”

“É interessante falarmos sobre os cafés produzidos por mulheres, pois tenho visto muitas cafeterias e torrefações por aqui com suas administrações femininas – gerentes, comercializadoras e diretoras que buscam apoiar e investir na produção de cafés feitos por mulheres. Assim, elas podem oferecer aos seus clientes um produto que foi cuidado por mãos femininas do começo ao fim, agregando valor e também contando a história que há por detrás. É um movimento muito bonito, pois sinto que precisamos mesmo nos unir, criando espaços para todas e oportunidades que beneficiem as produtoras.”

Ela finaliza a conversa deixando uma mensagem especial para as mulheres produtoras de café que pôde resumir em uma só palavra: confiança. “Precisamos entender que somos suficientes e capazes de liderar nosso caminho, seja ele qual for. Podemos realmente fazer o que quisermos, contanto que a gente consiga mudar nossa forma de pensar e o tom das nossas conversas. Não devemos nunca nos diminuir ou duvidar de nossa capacidade. Espero que as produtoras brasileiras parceiras da Cooxupé e da SMC se sintam incentivadas a realizar um trabalho diferenciado com o café especial, pois do lado de cá há, sem dúvidas, uma demanda para isso. Torço para que a situação mundial melhore e eu possa viajar ao Brasil novamente.”

Freda está atualmente trabalhando em um livro sobre suas experiências dentro do mundo do café especial e como isso tem impactado positivamente no seu crescimento profissional e pessoal. Esperamos que seja um sucesso e que ela possa nos visitar mais uma vez em breve.